Esta casa foi construída pela fé

ESTA CASA FOI CONSTRUÍDA PELA FÉ

Estava fazendo a minha caminhada em Águas de São Pedro, durante o feriado de 9 de julho. Parei em frente a uma casa simples, recém-construída perto do lago. O proprietário colocou uma placa na fachada com a seguinte frase: ESTA CASA FOI CONSTRUÍDA PELA FÉ. Na parte debaixo, ele adicionou o texto de Hebreus 11: 1 – Ora, a fé é o firme fundamento das coisas que se esperam, e a prova das coisas que se não veem.

Sempre fui fascinado pelo Dom Quixote de Miguel de Cervantes. Sua crença em monstros reais e donzelas em perigo, influenciaram até mesmo o seu fiel escudeiro, o medíocre Sancho Pança. A obra do lunático que acreditava nas suas visões atravessou séculos e se tornou uma das maiores da literatura espanhola.

Mas agora o apóstolo Paulo pede em Hebreus que acreditemos num Deus que não se pode ver, assim como em suas benfeitorias vindouras que são eternas, mas distantes do mundo físico. Devo então desenvolver uma fé que contradiz os 5 sentidos  – olfato, tato, audição, paladar e visão – e sempre contribuíram para preservar a minha integridade física, mas que agora pouco poderiam contribuir para a minha jornada espiritual?

A resposta é sim. Deus pede a Noé que construa uma gigantesca arca num país que nunca havia recebido chuva até então. Diz a Abraão que da sua semente nascerá uma grande nação, embora ele já estivesse em idade avançada e plenamente consciente da sua decrepitude. E o modus operandi divino continua agindo, dizendo a mim e a você que Ele está no controle, que somos aceitos, acarinhados e protegidos, embora as coisas no mundo dos sentidos estejam em estado de putrefação.

Diante desta encruzilhada do crer ou não crer, pego a opção do caminho mais longo, cheio de críticas e adversários,  rumo ao Deus invisível mas jamais ausente, zeloso por cumprir as suas promessas, no seu devido tempo. Depois de uma longa jornada marcada pela tentativa e erro, aprendi que na hora da crise, o melhor lugar para se estar é no centro da vontade do Deus que eu não posso ver.

 

Maurício Cantoni